Buscar
  • davivalar

O processo de adaptação do lar exige certa dose de dedicação dos tutores


Cachorro gosta de estar sempre perto do seu dono. Certamente ele vai preferir estar com você em um apartamento pequeno do que em um pátio grande sozinho. Por isso é importante que a nossa casa seja adaptada para que essa convivência seja a melhor e mais segura possível. Hoje vamos falar um pouquinho sobre como deixar a nossa casa mais adequada aos nossos pets.


Inicialmente é importante determinar o espaço que será do cão. Eles gostam de ter o seu espaço definido. Coloque a cama ou cobertor em um lugar cômodo e limpo da casa, de preferência com pouca passagem de pessoas, mas sem que o animal se sinta isolado da família. Faça o mesmo com a água e a comida, colocando-os em locais de fácil acesso para o cachorro.


Falando em água e comida, algumas raças são mais propensas em apresentar problemas de coluna e nas articulações. Principalmente quando o cachorro é mais idoso. Por isso, é importante ter comedouros e bebedouros elevados, que devem ser adaptados de acordo com a altura do pet. Para alguns especialistas a altura ideal é uns 10 cm abaixo da cernelha – região do pescoço onde é colocada a coleira.


Os cães amam investigar novos espaços e para evitar que o seu cãozinho se machuque, usar aquelas tampas de tomadas para crianças é uma ótima ideia, pois pode evitar que ele coloque a língua e as unhas nas tomadas. Fique atento também aos objetos sobre os móveis, seu cãozinho pode esbarrar no móvel vindo a se machucar. Cuide também de fios, cabos e aparelhos eletrônicos expostos ao alcance deles, além de destruir, o cãozinho pode até levar um choque.


Se a casa tem tapetes em alguns ambientes, é melhor fixá-los ao chão nos locais onde o cão mais se move e nas esquinas, onde ele passa correndo e pode escorregar. Também é bom colocar rampas, escadinhas ou tapetes na beirada de camas e sofás, nos quais o cão sobe e desce, especialmente se o pet for grande ou idoso.


Falando em piso, no geral, os melhores tipos de pisos são os feitos de material antiderrapante, que evitam escorregões do animal, e os atérmicos, que não absorvem calor do ambiente e mantem uma temperatura amena. É importante também escolher o revestimento pensando não só na estética, mas também na durabilidade do material. Afinal, o piso precisará resistir ao xixi, às fezes, às marcas e patinhas, às brincadeiras, aos riscos de unhas e ao adestramento.


Algumas raças de cães costumam cavar para preparar o local onde vão deitar. No caso dos gatos, é comum eles afiarem as unhas em sofás e poltronas. Nesses casos é importante pensar em uma capa protetora, manta ou até mesmo num móvel que não rasgue com o atrito das unhas. Se for possível, pense também em materiais e produtos que possam ser impermeáveis. Assim, caso o seu pet faça algum xixi por aí o estrago vai ser menor.


Seguindo os passos acima, você não terá problemas durante o processo de adaptação. Em algumas semanas, seu amigo estará achando seu novo lar perfeito! Lembre-se que um ambiente agradável e confortável é importante para uma boa qualidade de vida.


19 visualizações0 comentário

Eles são fofinhos mas nem sempre calminhos


As raças pequenas são, geralmente, as mais “fofinhas” e desejadas na hora de escolher um pet. Isso se dá principalmente pelo espaço físico de convivência com seus donos e pela característica das grandes cidades onde as pessoas, na sua maioria, vivem em apartamentos (e nessa realidade acrescentamos a falta de tempo para passeios com os pequenos).


Nada vai garantir que o seu cão, mesmo pequeno, seja mais sossegado. Por isso, resolvemos falar um pouquinho sobre algumas características importantes das raças pequenas.


ALGUMAS VANTAGENS


- Comparado aos cães grandes, os pequenos apresentam menor custos. A começar pelo consumo de ração mais reduzido, menor número de tapetes higiênicos utilizados e até mesmo nas doses de medicação, que normalmente são prescritas pelo peso.


- A expectativa de vida das raças pequenas é mais alta que as raças grandes. Ainda não se chegou a uma explicação científica, mas é provável que isso aconteça porque os cães grandes têm um crescimento mais acelerado, o que pode torná-los mais suscetíveis às doenças da velhice. Afinal, toda essa velocidade estressa mais o organismo.


- Na hora de viajar, além de ocupar menos espaço no carro, eles cabem na cabine do avião, por exemplo, e é possível levar com mais facilidade para todo o canto. O que vai diferenciar nesse sentido é a disposição para atividades físicas. Existem raças de pequeno porte mais ativas e outras mais preguiçosas.


AS 5 RAÇAS PEQUENAS MAIS TRANQUILAS


Shih-tzu

Brincalhão e companheiro, esse cachorro não precisa de muito espaço para se exercitar e, por isso, vive muito bem em pequenas residências, como apartamentos, mas também se adapta em uma casa grande. O shih tzu adora colo e segue o tutor pela casa. Os cachorros dessa raça não gostam de ficar sozinhos por muito tempo e precisam de atenção. São cães que alertam quando estranham algo – o que pode acontecer com certa frequência, dependendo da quantidade de ruídos que ele consegue ouvir de casa.


Lulu da Pomerânia

Engana-se quem pensa que o lulu da pomerânia conquista corações apenas por sua beleza, meiguice e elegância. A sua animação e alegria são capazes de contagiar a casa e divertir a família toda. Já a inteligência e obediência deixam papais e mamães de cachorro cheios de orgulho e encanto. E para provar que tamanho não é documento, o cachorro lulu é ainda cheio de personalidade para ser o seu grande companheiro.


Bichon Frisé

É um cachorro dócil, sociável, tranquilo, brincalhão, além de muito inteligente. Com poucas repetições, é capaz de aprender diversos truques e a responder aos principais comandos.

Embora possa parecer despreocupado e “desapegado”, gosta muito de companhia, e não é raro que apresente a chamada “ansiedade por separação”. Para quem passa uma parte considerável do dia fora de casa, é importante acostumar o pet desde filhote à ausência de pessoas.


Maltês

Uma das raças mais antigas do mundo, o maltês vem encantando a humanidade desde a Antiguidade com seu pelo macio e temperamento brincalhão, ao mesmo tempo sofisticado e delicado. O maltês adora um colo, mas também pode ser vigilante e é um ótimo cachorro de competição. Muito brincalhão e afetuoso, ele adora fazer amigos de todas as idades, mas também pode ser bastante teimoso: por isso, o tipo de adestramento recomendado é o baseado no reforço positivo (com muitas recompensas!).


Pug

Se você está em busca de uma super companhia canina, o pug é uma ótima opção. Carinhoso, adora ficar no colo e passar um tempo com a família. Afinal, a raça da cara amassada é do tipo ansiosa para agradar, aprender e amar e vai sempre querer estar por perto. O pug é altamente recomendado para quem mora em apartamento, especialmente por ser sensível às mudanças de temperatura e não exigir muito espaço para queimar energia. Inteligente e brincalhão, precisa de um dono que seja seu líder e que possa dar comandos firmes. Senão, ele vai tirar vantagem!



AS 5 RAÇAS PEQUENAS MAIS AGITADAS


Dachshund (Salsicha)

O dachshund tem um formato inconfundível. Frequentemente chamada de “salsicha”, “salsichinha” ou “linguicinha”, a raça de cachorro tem um temperamento curioso: é muito corajosa e inteligente. Originalmente usado para a caça de pequenas presas (como texugos, coelhos e raposas), esse cachorro tem um faro apurado, é naturalmente ativo e adora estar com a família – inclusive no colo!


Yorkshire Terrier

Esperto e brincalhão, o yorkshire também atua como cão de guarda, alertando sobre presenças e barulhos estranhos. A personalidade dessa raça requer um líder que imponha regras e dê comandos com voz firme – ou então ele vai passar a apresentar comportamentos inadequados, como, por exemplo, puxar a coleira durante o passeio, frequentar áreas da casa não permitidas e fazer xixi e cocô no local errado.


Corgi

São muito descontraídos e companheiros de seus tutores. Apesar do pequeno porte, eles são muito ativos e amam fazer esportes, além de sempre estarem em estado de alerta para proteger sua família humana. A aparência tem conquistado cada vez mais amantes de cachorro. A feição dócil e alegre do cachorro Corgi encanta a qualquer um e suas orelhinhas sempre eretas reforçam sua posição de pastor e protetor.


Jack Russell Terrier

Assim como Yorkshire, que também pertence ao grupo dos Terriers, o Jack Russell tem origem britânica e é um exímio caçador, conhecido por estar constantemente agitado. Isso faz deles grandes companheiros para tutores ativos, que gostam de fazer atividades intensas ao ar livre, acompanhados do cachorro. Lembrando que é importante respeitar o ritmo do pet.


Beagle

Por conta de seu temperamento enérgico, o Beagle precisa de boas doses diárias de atividade física para se manter saudável e feliz. Quando isso não é possível, pode ficar entediado com facilidade, o que contribui para um comportamento bagunceiro, entre outros hábitos indesejados. Já com uma rotina adequada, o Beagle é um grande companheiro, afetuoso e muito brincalhão!

25 visualizações0 comentário
  • davivalar

Com a chegada do inverno é importante saber identificar e proteger bem os peludinhos


Por mais que pareça óbvio para muita gente, essa é uma dúvida bastante comum entre os tutores. Por isso, é importante saber se o cachorro passa frio e o que fazer para esquentá-lo. E a resposta é SIM! Cachorro sente frio assim como nós, mas não da mesma forma.


O pelo do animal funciona como proteção natural para as baixas temperaturas. Por isso, cachorros com pelos mais compridos e densos sofrem menos no inverno e estão mais protegidos. Sendo assim, as raças de pelos curtos ou pelados devem ser mais protegidas para que o bichinho não sofra tanto ou tenha alguma doença em decorrência das baixas temperaturas.


SINAIS


Alguns sinais são visíveis e servem de alertas para sabermos que o cachorro está com frio, por exemplo:


- Dormir mais que o normal

- Respiração e movimentos mais lentos

- Tremedeira

- Passar muito tempo deitado

- Querer ficar próximo de pessoas e animais


Outro alerta são as pontas das orelhas e as patinhas, na parte das “almofadinhas”. Se elas estiverem geladas é um sinal que o seu bichinho está com a temperatura baixa.


PROTEÇÃO


Oferecer um ambiente seco e quentinho é o ponto inicial para proteger o seu pet. Colocar roupas, principalmente naquelas raças de pelos curtos, também é uma boa ajuda. Se puder, deixe uma mantinha ou coberta para que o cachorro possa se aconchegar e fazer o seu próprio “ninho”.

Procure reduzir os números de banhos e quando for fazer, utilizar sempre água morna. Reduza também a quantidade de tosas e deixe o pelo mais denso durante o inverno. Agasalhe o pet quando for sair ou procure passeios em locais mais quentinhos.


RAÇAS


Algumas raças sentem mais frio que outras. Principalmente aquelas mais magrelas e com pelos curtos. Ex:


Chihuahua

Pinscher

Greyhound

Whippet

Galgo italiano

Dachshund

Braco Alemão de Pelo Curto

Boxer

Boston Terrier

Fox Paulistinha (Terrier Brasileiro)


Com essas dicas temos certeza que o inverno será menos sofrido para os nossos amados pets. Ahhh e não esqueça de ter um cuidado especial com os mais velhos e com os filhotinhos 😉


70 visualizações0 comentário